segunda-feira, 26 de junho de 2017

Os últimos pregos no caixão de Temer

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

A capa do Globo de hoje poderia levar um analista afoito a afirmar, pela enésima vez, que “o governo Temer acabou”, ou, para ser mais dramático, que “o governo Temer morreu”.

Entretanto, a afirmação, mesmo correta, levaria a uma falsa conclusão, porque o governo Temer, como se sabe, já nasceu morto. É um governo de morto-vivos, controlado remotamente por articulações entre barões de mídia, a alta burocracia, banqueiros e empresários.

Estando morto, o governo Temer não pode ser morto, da mesma forma que não se pode assassinar um cadáver.

Entretanto, mesmo morto, o governo Temer… resiste, administra, nomeia e demite, e continua liderando o mais brutal e acelerado processo de desmonte do Estado da nossa história.

A agenda e as pautas da greve geral

Por Rafael Tatemoto, no jornal Brasil de Fato:

A greve geral convocada pelo conjunto das centrais sindicais brasileiras, prevista para a próxima sexta-feira (30), será acompanhada por atos de rua em todo o país, chamados por centrais sindicais. As manifestações também contarão com o apoio e mobilização das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Em São Paulo (SP), a atividade deve ocorrer na Avenida Paulista, a partir das 16h. Ao menos outros dois estados já marcaram atividades semelhantes. Em Belo Horizonte (MG), a manifestação ocorre às 9h na Praça da Estação. Já em Porto Velho (RO), será realizada às 8h na Praça Três Caixas D’Água. Em Fortaleza (CE), acontece às 9h na Praça da Bandeira.

Lula e Bolsonaro sobem; o PSDB encolhe

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), ex-militar candidato da extrema-direita, engoliu os presidenciáveis do PSDB na disputa pelo segundo lugar, enquanto o ex-presidente Lula sobe e segue líder disparado em todos os cenários de primeiro turno para 2018.

Ao mesmo tempo, o PT volta a crescer e chega a 18% na preferência dos eleitores, enquanto o PSDB encolhe para 5%, ao lado do PMDB, os principais partidos da aliança governamental.

Este é o resumo da ópera da nova pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira, a primeira após as delações da JBS.

Com Aécio na fogueira, o PSDB se divide

Por Rodrigo Martins, na revista CartaCapital:

"Longe das benesses oficiais, mas perto do pulsar das ruas." A epígrafe que figura na abertura do manifesto de criação do PSDBtem sido evocada por um crescente número de militantes tucanos para constranger a cúpula do partido, cada vez mais cindido.

Dissidentes do PMDB de José Sarney e Orestes Quércia, os fundadores da legenda, nascida em 25 de junho de 1988, diziam-se “chocados com o espetáculo do fisiologismo político e da corrupção impune” vivenciado pelo Brasil à época e “desiludidos com o governo que deixou de se constituir o primeiro da Nova República, preferindo fazer-se o último da Velha República”.

Confirmado: FHC tem medo do povo

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Fernando Henrique Cardoso tem toda razão ao repetir, em artigo de hoje na Folha, que é preciso antecipar eleições diretas para presidente.

Mas está inteiramente errado em resumir essa proposta a um apelo para que Michel Temer renuncie ao cargo, abrindo caminho para diretas-já. FHC é o primeiro a saber que isso não vai acontecer.

Apresentando a renuncia como a única saída possível, Fernando Henrique assume a postura de quem deixa o destino da democracia nas mãos de Temer - e só dele.

Faz mais. Diz que "qualquer tentativa" para se interromper o mandato previsto para encerrar-se em janeiro de 2019 "soará como golpe." Ou seja: não vale nem a batalha legal e legítima de aprovar uma emenda no Congresso, iniciativa em curso há muito tempo, inclusive por aliados de longa data do PSDB.

Moro condena Palocci e se prepara para Lula

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Sérgio Moro, o juiz da sentença pronta antes mesmo de começado o processo, anunciou a pena imposta ao ex-ministro Antonio Palocci: 12 anos e dois meses de prisão.

Levou dez dias para cumprir a formalidade de agregar trechos das alegações finais apresentadas por Palocci que, evidentemente, não vêm ao caso, exceto para cumprir tabela.

É provável que, portanto, anuncie a condenação de Lula que só não está em papel amarelado pelo tempo porque escrita no computador.

Karl Marx, quem diria, já pode voltar

Por Vicenç Navarro, no site Outras Palavras:

Uma das colunas mais conhecidas da revista semanal The Economist, a Bagehot (que tem como responsável Adrian Wooldridge) publicou, na edição de 13 de maio, um artigo que seria impensável encontrar nas páginas de qualquer revista econômica de orientação igualmente liberal, na Espanha [ou no Brasil].

Sob o título “O momento marxista” e o subtítulo “Os trabalhistas têm razão: Karl Marx tem muito a ensinar aos políticos de hoje”, Bagehot analisa o debate entre o dirigente do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, e seu ministro sombra da Economia e Fazenda, o John McDonnell, por um lado, e os dirigentes do Partido Conservador e os jornais conservadores Daily Telegraph e Daily Mail, por outro. Definir esse diálogo como debate é, sem dúvida, excessivamente generoso por parte da coluna Bagehot, pois a resposta dos jornais conservadores e dos dirigentes conservadores aos dirigentes trabalhistas é uma demonização tosca, grosseira e ignorante de Marx e do marxismo, confundindo marxismo com stalinismo, coisa que também acontece constantemente nos maiores meios de comunicação, em sua maioria de orientação conservadora ou neoliberal.

As pernas cortadas da nossa democracia

Por Marcelo Zero, no site Brasil Debate:

Michael Moffitt ouviu um chiado estranho, como de água caindo em um fio desencapado, e viu um intenso clarão branco.

A violenta explosão, porém, não o feriu com gravidade. Ele conseguiu se arrastar para fora do carro, um Chevrolet branco, pela janela traseira, completamente estilhaçada, a tempo de ver sua mulher, Ronni Moffitt, saindo pela porta parcialmente arrancada do banco do carona. Pensando que a sua esposa, com quem se casara há apenas quatro meses, estava bem, sua atenção dirigiu-se ao motorista.

Quem dirigia era um homem de 44 anos, forte, um tanto calvo e com um vasto bigode. Michael e sua esposa o conheciam bem, pois trabalhavam sob seu comando no Institute for Policy Studies (IPS) e no Transnational Institute (TNI), organizações dedicadas à luta pelos direitos civis. No entanto, ao sacudir o corpo do motorista, Michael notou algo estranho: as pernas de Orlando Letelier já não estavam mais lá.

domingo, 25 de junho de 2017

Apesar da mídia, economia gera pessimismo

Por Altamiro Borges

Bem que a mídia chapa-branca, nutrida com milhões em publicidade, tentou criar um clima de otimismo na sociedade. Ela garantiu que bastava derrubar a presidenta Dilma Rousseff para a economia voltar a crescer, gerando emprego e renda para os trabalhadores. Os famosos urubólogos da imprensa venal, que antes só davam notícias negativas, viraram otimistas de plantão, apostando todas suas fichas no sucesso da equipe econômica do Judas Michel Temer. Este esforço, porém, foi em vão – dava até para o golpista pedir de volta dos mercenários a grana dos anúncios. Segundo a pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (25), a maioria dos brasileiros segue pessimista com relação à economia.

FHC ironiza o “prefake” João Doria

Por Altamiro Borges

O “prefake” João Doria, com seu estilo marqueteiro de governar São Paulo, não está agradando nem os tucanos históricos. Nesta sexta-feira (23), durante uma palestra para empresários do setor médico em um hotel na Zona Sul da capital paulista, o principal mentor intelectual do PSDB, o velhaco FHC, ironizou a gestão do novato no ninho. Segundo relato da insuspeita rádio Jovem Pan, “o ex-presidente da República disse que não viu ainda muitas realizações de João Doria Júnior, mas ressaltou que ele é bom em utilizar redes sociais e celulares. ‘Isto aqui [celular] está no meu bolso, não na minha alma. O mundo hoje tem isso aqui na alma. O prefeito está fazendo algum sucesso porque manipula isso aqui o dia inteiro. Ele mudou alguma coisa? Eu ainda não vi. Mas [mexer] aqui ele sabe’, afirmou”.

Preso do MBL vai delatar seus financiadores?

Por Mauro Donato, no blog Diário do Centro do Mundo:

Quem procura, acha. Depois de tanto tempo se infiltrando em manifestações e fazendo provocações grosseiras para registrá-las em vídeo, Arthur Moledo Do Val, mais conhecido como MamãeFalei, encontrou gaúchos sem paciência para suas cretinices.

Acompanhado de dois ‘seguranças’, MamãeFalei foi a um protesto de municipários que estão contra o parcelamento de seus salários e contra o aumento da alíquota de contribuição à Previdência.

Longe de seu berço, MamãeFalei foi acompanhar essa manifestação que ocorria em Porto Alegre, em frente à Prefeitura. Cansados das babaquices do integrante do MBL (Movimento Brasil Livre), os servidores públicos confrontaram o youtuber pelas filmagens.

Gilmar, Aécio e os "sorteios" no STF

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Está ficando claro para todos os brasileiros como a Justiça trata políticos de forma diferente de acordo com a filiação partidária de cada um. O caso mais emblemático é o de Aécio Neves. Há pouco mais de um mês, o país ouviu, estarrecido, o tucano confessar vários crimes. Qualquer pessoa nessa situação teria sido presa em flagrante. Mas Aécio não é qualquer pessoa.

E quando digo “qualquer pessoa”, incluo pessoas com foro privilegiado.

Tanto o senador tucano Aécio Neves quanto o ex-senador petista Delcídio do Amaral foram pegos em flagrante confessando atos criminosos. Adivinhe, leitor, qual dos dois foi preso e qual ficou livre como um pássaro.

Impunidade nos 12 anos do 'mensalão tucano'

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

Se o chamado "mensalão do PT" fez os jornalões criarem manchetes espetaculosas, analistas e colunistas fazerem ilações à vontade e foi assunto interminável nos meios políticos e jurídicos, o mensalão tucano, – apesar de ter menos réus e mais amigos no STF – ganhou da mídia tradicional o apelido de "mensalão mineiro", para descolar o caso do envolvimento de figuras do PSDB. Mesma mídia que varreu o escândalo para debaixo do tapete. Pois o mensalão tucano segue parado na Justiça confirmando o receio de todos os que esperam do Judiciário uma atuação imparcial, pouco importando para o desfecho do processo as características pessoais do réu – como sua filiação partidária. 

Liberdade para o preso político João Vaccari

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                            
Nas masmorras da Lava Jato, na República de Curitiba, mofa o bancário João Vaccari Neto, ex-dirigente da CUT e do PT. Condenado pelo juiz Sérgio Moro apenas com base em delações, Vaccari, encarcerado há mais de dois anos, dá seguidos exemplos de dignidade e honradez, se negando a entrar para a história como alcaguete.

Vaccari é o único ex-tesoureiro de partido preso, embora as fontes de arrecadação de todas as agremiações partidárias tenham sido rigorosamente as mesmas durante o período em que a legislação permitia o financiamento empresarial. Mas, por ser do Partido dos Trabalhadores, só a sua torneira é considerada suja. As demais são limpinhas e transparentes.

As estranhas palestras de Moro e Dallagnol

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Um novo fato volta a chamar atenção à cúpula que coordena a Operação Lava Jato. Há alguns dias começou a rodar no Twitter um post com a imagem de um site de palestras vendendo apresentações do procurador Deltan Dallagnol, que por sua vez vende em suas palestras conteúdo público, levantado no trabalho público que realiza na Lava Jato.

O Twitter viralizou, levando Dallagnol a usar sua conta pessoal no Facebook para desmentir o objetivo de lucro das palestras, deixando-o em uma situação complexa. Dallagnol dizia no texto que, por modéstia, não tinha divulgado que todo o dinheiro da palestra ia para uma grande causa, que era financiar ações do tipo Lava Jato.

As velhas malandragens do 'Jornal Nacional'

Do site Lula:

O Jornal Nacional contatou a assessoria do ex-presidente Lula às 20:31, com o telejornal já no ar. Quando a matéria foi exibida, minutos depois, disseram que não houve pronunciamento por parte do ex-presidente. O cenário do JN pode ser novo e cheio de tecnologia. Mas o jornalismo da Globo continua parcial e manipulador como nos comícios das Diretas, em 1984, ou no debate de 1989.

Segue abaixo a nota enviada e não lida pelo telejornal da família Marinho.

Moro, Lava Jato e os interesses dos EUA

Por Cesar Locatelli, no site Jornalistas Livres:

O juiz Sérgio Moro é louvado em verso e prosa pelos meios de comunicação tradicionais, nacionais e estrangeiros. Foi “personalidade do ano” pelo Globo, esteve entre “as 100 personalidades mais influentes” da revista Time, alçado à condição de 13o entre “os maiores líderes mundiais” pela revista Fortune e 10o entre os mais influentes da agência de notícias financeiras Bloomberg.

O que teria levado o juiz federal ao estrelato? Que apoios teria acumulado para se tornar uma quase unanimidade internacional? Certamente muitos se apressarão em concluir que foi seu trabalho destemido e incansável contra a corrupção. No entanto, outros tentaram e não tiveram sucesso com seus processos, nem tampouco viraram ídolos mundiais, muito ao contrário.

Vexames marcam turnê europeia de Temer

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Com 2% de popularidade e prestes a ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça, o presidente ilegítimo Michel Temer saiu em nova turnê internacional. A primeira, em outubro do ano passado, quando visitou a China e a Índia, foi um deprimente festival de vexames. O momento mais triste foi quando Temer, mais “falastrão” que Josley, narrou em detalhes um almoço que teve com Putin durante o encontro dos BRICS. Mas faltou combinar com o russo, já que o almoço nunca aconteceu. Muito pelo contrário, o brasileiro foi o único dos presidentes do encontro que não teve uma reunião com o presidente russo - porque Putin não quis.

Comandante do Exército e a crise brasileira

Editorial do site Vermelho:

A mídia hegemônica não deu o destaque merecido, mas uma notícia importante desta semana foi a audiência pública, nesta quinta-feira (22), no Senado, com o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Importante pela manifestação legalista, constitucional e patriótica do general ocupante daquele que no passado foi o Ministério do Exército.

O general constatou algo fundamental para avaliar o governo usurpador de Michel Temer: o Brasil não tem um projeto nacional, disse. Deixou de ter, poderia ter afirmado, pois o governo abandonou radicalmente qualquer veleidade de ênfase na soberania nacional e desenvolvimento do país.

'Reformas' de Temer e o novo colonialismo

Por Luís Eduardo Gomes, no site Sul-21:

Quais as consequências da reforma trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a questão principal posta ao sociólogo Clemente Ganz Lúcio, atualmente diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Em uma conversa de cerca de 40 minutos na última semana, ele destacou que a legislação proposta pelo governo Temer altera drasticamente as relações de trabalho no Brasil, trazendo um efeito muito mais perverso e duradouro do que aqueles da sua irmã mais notória, a reforma da Previdência. Para ele, a permissão de que empresas contratem trabalhadores com contratos intermitentes, sem jornada definida, precariza de forma profunda a situação dos trabalhadores e, em vez de facilitar a geração de empregos, irá apenas tornar legal o que hoje é proibido.