domingo, 22 de outubro de 2017

Ofenderam a mãe do 'ministro' da Cultura

Por Altamiro Borges

Sérgio Sá Leitão, o quarto “ministro” da Cultura do covil de Michel Temer, mostrou-se um grande oportunista. Nos governos Lula e Dilma, ele era visto como um bajulador, um puxa-saco pegajoso. Consolidado o golpe dos corruptos, ele mudou de lado. Virou um antipetista de carteirinha, um inimigo ferrenho das forças de esquerda. Diante da recente onda obscurantista contra exposições de arte, ele chegou a insinuar simpatia por seitas fascistas, como o MBL. Esta conversão abjeta, porém, parece que não convenceu os novos amigos do trânsfuga. Na semana passada, em uma audiência na Câmara Federal, o deputado Givaldo Carimbão (PHS-AL) sugeriu que a mãe de Sérgio Sá Leitão fosse exposta “de pernas abertas” em um museu.

Quando FHC e a OAB farão autocrítica?

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso considerou a portaria do trabalho escravo “um retrocesso inaceitável”. Claudio Lamachia, presidente da OAB, classificou a medida de Temer como “um imenso retrocesso” que fere o Código Penal. Em editorial, o jornal O Globo disse que a portaria “tem cheiro, forma e cores de mercadoria política para barganha no Congresso”. Estes e outros atores que agora criticam os retrocessos em série produzidos pelo governo Temer apoiaram o golpe de 2016.
  
Fazem críticas pontuais ao governo mas ainda não fizeram uma autocrítica pelo pecado original que cometerem, apoiando a ruptura democrática, a derrubada de uma presidente eleita e a imposição de um governo ilegítimo para implementar uma agenda que não foi aprovada pelas urnas. Redenção histórica só haverá para eles se admitirem que o impeachment foi um erro e deve ser anulado, até porque foi aprovado com votos comprados por Eduardo Cunha.

Uma seita toma conta do Brasil

25 anos da morte de Rogério Lustosa

Por Renato Rabelo, em seu blog:

Tive a oportunidade de conviver com Rogério Lustosa em largo período de atividade política, durante e após o fim da ditadura militar, implantada em 1964. Rogério Lustosa participou integralmente com a maioria da Ação Popular, da qual fez parte, quando se integrou ao PCdoB em 1962. E passou a compor o núcleo dirigente nacional desse Partido.

Em 21 de outubro de 1992, faleceu o saudoso camarada Rogério Lustosa. Um infarto do coração provocou uma morte prematura, inesperada, abrupta, deixando uma lacuna imensa na direção nacional do PCdoB de então, em uma fase de consolidação do centro dirigente do Partido, premente de quadros da estirpe de Rogério.

Ração de Doria não combate a fome

Por Joselicio Junior, na revista Fórum:

Como se estivesse apresentando uma solução mágica, revolucionária para erradicar a fome na cidade de São Paulo e até mesmo do Brasil, o marqueteiro e também prefeito João Doria apresentou uma parceria com a empresa Plataforma Sinergia para produzir um granulado composto de alimentos, perto do vencimento, para serem distribuídos dentro do Programa Alimento Para Todos.

A medida foi duramente criticada por especialistas em nutrição como o Conselho Regional de Nutricionista da 3ª Região, contraria os programas nacionais de segurança alimentar, também fere os preceitos da dignidade humana que estabelece o consumo de produtos “in natura”, em detrimento de produtos processados para o combate à fome, enfim, uma enormidade de posicionamentos contrários à medida.

Economia dos EUA à beira de novo colapso?

Da revista Caros Amigos:

Enquanto as ações nas bolsas dos EUA estão em alta e a economia norte-americana passa pelo terceiro período mais longo de expansão na sua história, os especialistas preveem o início de outra crise econômica.

Há três sinais do futuro declínio da maior economia do mundo, informou o portal russo VestiFinance.

1. O renascimento das chamadas obrigações sintéticas de dívida com garantia (CDO, por exemplo)

Temer vê base de apoio encolher na Câmara

Do site Vermelho:

O governo de Michel Temer não tem poupado esforços para garantir a rejeição da denúncia contra ele e membros do governo na Câmara dos Deputados na próxima quarta-feira (25). Mesmo assim demonstra preocupação com a contabilidade dos votos. Nota divulgada neste sábado (21) pela colunista Monica Bergamo, no jornal Folha de S.Paulo, aponta que a base de Temer na Casa encolheu.

A tragédia de Goiânia e a bancada da bala

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Num momento no qual o país chora a morte injusta e violenta de dois adolescentes numa escola particular de Goiânia, enquanto outros dois rapazes e uma moça permanecem internados em estado grave, o país tem o dever de fazer uma reflexão honesta sobre uma ideia irresponsável, em curso no Congresso brasileiro, de liberar o porte de armas.

Ao menos na teoria, a casa de onde um garoto de 14 anos saiu com uma pistola .40 na mochila para cometer um massacre na sala de aula era o lugar ideal e seguro para se armazenar uma arma tão perigosa.

A incerta posição da Globo sobre Temer

Por André Barrocal, na revista CartaCapital:

O lobista da Rede Globo em Brasília, Paulo Tonet Camargo, passou pelo Congresso na terça-feira 17 e foi sondado sobre a posição da empresa quanto à última “flechada” em Michel Temer, a acusação de formação de quadrilha e obstrução da Justiça. Ainda quer a cabeça do presidente, como no caso da mala de propina? Parlamentar que falou com Camargo achou-o evasivo. 

A posição da emissora parece ter mudado, na visão de certos deputados. Um fator importante para os acontecimentos em Brasília. Se não tem mesmo poder de interferir na vida nacional como na eleição de 1989, segue um ator que os políticos levam em conta em suas decisões, vide declarações recentes do ex-presidente Lula de que quer derrotar na campanha de 2018 o candidato da Globo.

Globalização não perdoa os sem soberania

Por Marcio Pochmann, no site do Diap:

Após o início da grande crise em 2008, a globalização perdeu um dos seus principais pilares propulsores: o comércio mundial. No quadriênio de 2012 a 2016, por exemplo, o comércio mundial cresceu apenas 3% em média ao ano, ao passo que no período entre 2003 e 2007 aumentava 8% por ano, em média.

Para o mesmo lapso de tempo, a produção mundial expandiu 5,1% ao ano em média entre 2003 e 2007 e 3,4% entre 2012 e 2016. Em função disso, percebe-se que no período que antecede a grande crise de 2008, as trocas externas aumentaram 1,6% a cada 1 ponto percentual de elevação do produto mundial, enquanto nos anos pós-crise de dimensão global, o comércio mundial subiu 0,9% a cada 1 ponto percentual de crescimento do produto.

UberCapitalismo e a contrarrevolução

Por Ricardo Abramovay, no site Outras Palavras:

A explosão da cultura digital durante o século XXI revigorou os mais importantes ideais emancipatórios, combalidos pela queda do muro de Berlim. As pessoas e as comunidades passariam a dispor dos meios técnicos que lhes permitiriam estabelecer comunicação direta umas com as outras. A informação, os bens e os serviços poderiam ser oferecidos de forma eficiente sem que as condições objetivas de sua produção estivessem nas mãos de grandes empresas.

sábado, 21 de outubro de 2017

Caetano processa MBL e Frota por difamação

Por Gustavo Aranda e Vinícius Segalla, no site Jornalistas Livres:

O cantor e compositor Caetano Veloso e sua esposa, a empresária Paula Lavigne, estão processando por danos morais o MBL (Movimento Brasil Livre), seus coordenadores nacionais Kim Kataguiri e Renan Santos e o ator Alexandre Frota, detentor jurídico da associação MBL e que trava com os primeiros uma luta nos tribunais pela propriedade da marca.

O motivo: postagens feitas nas páginas do MBL na internet que acusariam Caetano de ser pedófilo e feririam a honra do casal. O pedido é por uma indenização de R$ 100 mil de cada um dos réus (são seis ao todo) e pela imediata retirada das páginas do MBL de 24 publicações consideradas ofensivas aos autores da ação, sob pena de multa diária de R$ 5.000. 

A violenta guerra da Globo na ditadura militar

Por Osvaldo Bertolino, no site da Fundação Maurício Grabois:

Como atores de primeira linha no golpe militar de 1964, os grupos de mídia desencadearam entre eles uma verdadeira guerra por espaço no regime autoritário que nascia. Os grupos de Assis Chateaubriand (Diários Associados) e de Roberto Marinho (Globo) lideraram as facções que disputavam a posição de porta-voz oficioso do regime.

Empresários já lucram com reforma do ensino

Por Helena Borges, no site The Intercept-Brasil:

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, foi convidado pela rádio CBN, em setembro, a dar uma entrevista para comentar como os investidores estrangeiros estão otimistas sobre o futuro da economia brasileira. Ele contou que esteve em Nova York e que, “apesar da nossa incerteza doméstica, eles têm demonstrado muita confiança no nosso desempenho recente”. Eis como ele explicou o surgimento dessa onda de otimismo entre a elite financeira global sobre o desempenho brasileiro:

A ração de Doria e as cobaias humanas

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Na edição do Jornal Nacional de quinta-feira, 19 de outubro, reportagem sobre a ONG Plataforma Sinergia, produtora da “farinata”, um “complemento alimentar” desenvolvido pela organização sob demanda do prefeito de São Paulo, João Doria, que pretende usar tal “complemento” para alimentar a população carente e alunos das escolas municipais.

Depois de uma polêmica que envolveu nutricionistas, nutrólogos, educadores e promotores públicos, porém, a Prefeitura de São Paulo decidiu adiar a inclusão de um complemento alimentar na merenda escolar. O Conselho de Segurança Alimentar do governo federal e o Ministério Público de São Paulo pediram explicações sobre a composição do produto.

As regalias do homem do ‘trensalão’ tucano

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Robson Marinho é apontado pelo Ministério Público da Suíça em 2014 como peça-chave de um esquema de corrupção em torno dos contratos do Metrô e da companhia de trens (CPTM) de São Paulo. Segundo relatório do paraíso fiscal europeu, Robson Marinho ter recebido propina milionária para beneficiar a empresa francesa Alstom em contratos entre 1998 e 2008 nos governos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin. Mas esta semana o conselheiro voltou a ocupar seu cargo no TCE por decisão da 12ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, emitida nesta terça feira (17).

Gilmar, Aécio e o algoritmo grampeado

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Achou-se um número de ligações digno de casais recém-enamorados, via WhatsApp, entre Aécio Neves e Gilmar Mendes, depois que o primeiro se viu em apuros em processos que o misterioso “algoritmo” da máquina de sortear relatores do Supremo Tribunal Federal, tal qual roleta viciada, escolhia o segundo para investigar as acusações ao mineiro.

46 chamadas, em menos de 60 dias, é demais para que alguém acredite que, como explicou o advogado do recém-liberado senador, Alberto Toron, as conversas teriam sobre a reforma política. Poxa, Dr. Torom, inclua aí umas receitas de comida mineira e umas dicas de bala, que ficará mais crível.

A ração que transformou Doria em pó

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

O caso da ração de Doria é uma nova prova, provavelmente não a última, de que o “gestor” é um dos piores prefeitos que São Paulo jamais terá.

O problema não é o marketing em si. Todo político - e ele, apesar da propaganda, é um deles, tanto quanto um vereador de Coaraci dos Montes - faz marketing.

A questão é que Doria é uma fraude até nisso.

Os quatro mitos que impulsionam Bolsonaro

Por Emanuel Leite Jr., no blog Viomundo:

Em abril deste ano, a Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOPP) da Universidade de Aveiro (Portugal), promoveu o Seminário de Doutorado “Sistemas Partidários sob Pressão: Populismo, Realinhamentos Políticos e Eleições”.

Participaram do evento o professor Dr. João Carvalho, do CIES (Instituto Universitário de Lisboa), que falou sobre “A direita francesa perante a ameaça da Front National: das eleições presidenciais de 2007 a 2017”; e o professor Dr. Riccardo Marchi, do CEI (Instituto Universitário de Lisboa) – o pesquisador italiano fez apresentação sobre a ameaça populista à democracia ocidental, traçando um panorama da extrema direita pela Europa.

Direita na Venezuela não tolera as urnas

Por Mário Augusto Jakobskind, no jornal Brasil de Fato:

Mais uma vez a oposição venezuelana com o respaldo do governo estadunidense não aceita o resultado das urnas que deu a vitória aos candidatos do PSUV (Partido Socialista Unificado da Venezuela). Agora é moda entre grupos de direita não aceitar os resultados das urnas. Nos conglomerados midiáticos que compõem o denominado grupo Diário das Américas o espaço para a oposição venezuelana é total e absoluto em uma demonstração de que o pensamento único é a tônica.